Home Curiosidades A morte da estrela milhões de vezes maior que o Sol!

A morte da estrela milhões de vezes maior que o Sol!

Curso Desenvolvimento de Games

Vídeo sobre A morte da estrela milhões de vezes maior que o Sol!. Você já pensou que olhar para o céu estrelado é como se estivéssemos olhando para uma máquina do tempo? 
Isso mesmo, as estrelas e galáxias distantes que vemos hoje são de centenas, milhares, milhões, bilhões de anos atrás.
Ao olhar para algumas estrelas, podemos compreender como era o nosso Sol no passado e como ele será no futuro.

Como as estrelas morrem
De forma bastante simples, podemos dizer que o destino de uma estrela é determinado por sua massa.
Ou seja, mais precisamente, dependerá da quantidade de material colocado na “fornalha” termonuclear durante os estágios iniciais da formação de uma estrela.
Por exemplo, as anãs vermelhas com pouco brilho e de baixa massa, podem, teoricamente, continuar a brilhar por trilhões de anos.
Muitas anãs vermelhas provavelmente têm a mesma idade que a nossa Via Láctea, mas, até agora, nenhuma anã vermelha “antiga” foi encontrada.
Isso ocorre simplesmente porque o universo ainda não atingiu a idade em que as anãs vermelhas começam a se envelhecer.
No extremo oposto das anãs vermelhas, estão as massivas e brilhantes gigantes azuis e gigantes brancas.
Com massas equivalentes a 10 a 15 vezes a do Sol, essas estrelas “queimam” em apenas alguns milhões de anos.
Essas estrelas acabam encerrando suas vidas consideradas curtas pela astronomia, com explosões de supernovas.
Após esta explosão, sobra-se apenas um “núcleo” de uma estrela de nêutrons ou um buraco negro.
E as estrelas que estão na “meia-idade” como o Sol? 
Dizem que essas estrelas possuem uma vida útil de 10 bilhões de anos.
À medida que essas estrelas envelhecem, começam a se “expandir” por causa de algum tipo de reação termonuclear, transformando-se numa estrela chamada gigante vermelha.
Obviamente, as substâncias nele contidas desaparecem.
O que significa a diminuição da sua densidade.
Ao final, a atmosfera externa da estrela é “varrida” para longe por não conseguir manter a sua gravidade.
E assim começa o “ciclo vicioso”.
Quando uma estrela se expande demais, ela não consegue mais manter sua forma e suas camadas externas começam a se desaparecer.

O fim da linha das Estrelas Gigantes
A CW Leonis, também conhecido como IRC+10216, foi uma das poucas estrelas que serviu para comparar e captar com sucesso o momento da morte do Sol.
Como o próprio nome sugere, esta estrela está localizada a 650 anos-luz da Terra na direção da constelação de Leão.
A IRC+10216 já está muito fraca por já ter perdido a maior parte de seu material e foi descoberta apenas em 1969.
Esta estrela está em um estágio denominado de estrela de carbono.
Estrela de carbono é o estágio final de uma estrela gigante vermelha.
Nesta fase, ocorre um determinado processo na atmosfera, que ocasiona o acúmulo de carbono.
Especialistas estimam que resta a IRC+10216 no máximo 10.000 a 30.000 anos.
Acredita-se que, durante esse período, todo o material será desfeito, com exceção do seu núcleo.
A camada externa ejetada forma uma nebulosa planetária, que eventualmente esfria e se difunde no espaço.
Para se ter uma ideia de como o CW Leonis “perdeu peso”, vamos apresentar alguns números simples.
Há um bilhão de ano, quando a estrela atingiu seu estágio final, ela era pelo menos três vezes mais massiva que o Sol.
Atualmente, a massa da estrela é estimada em 0,7 a 0,9 vezes a do Sol.
Então, a estrela “emagreceu” pelo menos um terço de sua massa.
Isto é, aproximadamente 70 por cento da matéria já se difundiu no espaço!
Além disso, IRC+10216 é uma estrela enorme, com um raio equivalente a 500 vezes o do Sol.
Este corpo possui “ventos” muito fortes.
2-17 Por isso, a matéria é liberada da estrela para o espaço como um fluxo.

Quando isso acontecerá com o Sol?
Quando se olha para a CW Leonis, sente-se como se estivesse olhando para o Sol do futuro.
Mas, quando exatamente será que o Sol se tornará como CW Leonis?
Haverá diferenças entre o destino do Sol e do IRC+10216?
Ao final deste vídeo, vamos abordar esta questão.
O Sol atual é uma estrela de “meia-idade”.
Possui aproximadamente 4,5 bilhões de anos e começará a se tornar uma gigante vermelha por volta de 5,5 bilhões de anos.
Certamente, se você não conseguir escapar da Terra, não será capaz de ver isso.
A luminosidade do Sol continuará aumentando e, após um bilhão de anos, não existirá mais vida na Terra.A Terra se tornará um planeta como Vênus.
Entretanto, diferentemente de Vênus, as nuvens na atmosfera não serão nuvens de ácido sulfúrico, mas nuvens de vapor d’água dos oceanos.
A Terra permanecerá dessa forma por mais alguns bilhões de anos.
E, finalmente, o Sol entra no processo da gigante vermelha
Como uma gigante vermelha, o Sol começará a se expandir incontrolavelmente e se tornará cada vez “mais brilhante”.
A luminosidade atingirá o seu máximo quando o Sol tiver pouco mais de 12 bilhões de anos.
E a superfície da Terra se transformará num mar de lava.
O Sol engolirá Mercúrio, Vênus e poderá engolir até a Terra.
Então, finalmente, o Sol ficará como a CW Leonis que conhecemos hoje.

Receba Novidades!

Inscreva-se para receber novidades diretamente por e-mail.

Invalid email address
Prometemos não enviar spam.
Curso de Desenho Método Fan Art

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Please enter your comment!
Please enter your name here