Home Curiosidades “Você mataria a minha mãe por mim?” BASEADO EM FATOS REAIS

“Você mataria a minha mãe por mim?” BASEADO EM FATOS REAIS

130
0
E-book Curso para Criar Aplicativos
RSS Feed

Vídeo sobre “Você mataria a minha mãe por mim?” BASEADO EM FATOS REAIS. Se você é curioso clique aqui e se aventure em busca do desconhecido: http://bit.ly/2oyQj0f

Os vizinhos descreviam Dee Dee Blancharde como uma pessoa muito carinhosa. Antes do crime, ela e a filha Gypsy Rose viveram por 7 anos numa pequena casa rosa, que ficava em Springfield, no estado norte americano do Missouri.

Dee Dee tinha 48 anos e vinha do estado de Lousiana. Era descrita pelas pessoas mais próximas como alguém muito amável, que gostava de usar roupas chamativas e cheias de estampas florais.

Era bastante comunicativa, sempre teve muitos amigos, não tinha muito dinheiro, mas também não trabalhava porque as 24 horas do seu dia eram dedicadas a cuidar da filha.

Pelo que os vizinhos contam, Gypsy era muito menina franzina, que mal tinha os dente na boca e não chegava a ter mais de um metro e meio de altura. Parecia que poderia quebrar até ao mínimo toque.

Ela era sempre vista em sua cadeira de rodas, usando óculos que eram grandes demais para o seu rosto magro e redondo, e acompanhada de uma sonda intravenosa que a alimentava.

Vez ou outra, Dee Dee era vista na rua empurrando Gypsy com um cilindro de oxigênio do lado, que passava ainda mais a impressão de que a saúde da menina era muito frágil. Qualquer pessoa que olhasse pra Gypsy imaginaria seu sofrimento por causa dos muitos problemas de saúde.

Sempre que era questionada, Dee Dee falava a mesma coisa sobre a filha: que Gypsy foi um bebê problemático, que precisou ficar na UTI neonatal e teve leucemia ainda muito pequena.

Além disso, ela falava que a menina sofria de distrofia muscular, asma severa, epilepsia, apneia do sono, problemas de vista e anomalias cromossômicas.

Gypsy tinha uma voz fina e infantil que a mãe justificava dizendo que era em decorrência dos danos cerebrais. Ela dizia aos outros que a filha tinha a cabeça de uma criança de 7 anos, por isso jamais poderia acompanhar as crianças normais na escola e acabava estudando em casa.

A menina costumava usar chapéus e perucas pra esconder a cabeça quase careca, e não importava a ocasião, Gypsy e Dee Dee estavam sempre juntas. Nas palavras da menina, elas eram como um par de sapatos… sendo que um pé sozinho não serve de nada.

A grande questão é que Gypsy nunca esteve doente. Ela nunca teve leucemia, não sofria de apneia de sono, nem asma e muito menos epilepsia. Era tão saudável quando um ser humano normal pode ser, e é isso que torna o caso delas muito estranho e bizarro.

Será que foram as mentiras sobre sua condição que motivaram Gypsy a orquestrar o assassinato da sua própria mãe? Que outra motivação dela teria?

Se prepare porque você está prestes a conhecer os muitos mistérios inexplicáveis sobre a história de Dee Dee e Gypsy, a relação mais perturbadora de mãe e filha de todos os tempos…

Você mataria a minha mãe por mim? BASEADO EM FATOS REAIS

LEIA MAIS:
http://bit.ly/2Er1M6l

Fonte: Fatos Desconhecidos

Receba Novidades!

Inscreva-se para receber novidades diretamente por e-mail.

Invalid email address
Prometemos não enviar spam.
Curso Desenvolvimento de Games

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Please enter your comment!
Please enter your name here